quarta-feira, 23 de junho de 2010

Kumano, Master Yamabushi


Ryusaki Kumano arrastou debilmente através do pequeno planalto rochoso, longe do abrigo do lado de dentro da montanha. Ele não apreciou esta visita à borda denteada onde o vento gritou e o ameaçou lançar sobre a passagem abaixo.

Ásperas e negras sombrancelhas contemplaram a borda com Kumano. Uma milha abaixo ele poderia ver quatro figuras–uma bastante grande–movendo-se pesadamente lenta pela fria passagem montanhosa. A passagem, arejada a seu modo por granito superficial conduzia à Kumano. Ele poderia sentir as custódias mágicas que ele tinha fixado amarrotando o grupo que estava se aproximando. Kumano suspirou, enviando uma explosão de névoa no vento. Ele sempre tinha medo destas visitas esporádicas envolvidas em mistério. Nada para fazer agora mas esperar.

Sua capa de pele agitou de modo selvagem quando ele se apoiou na borda. Kumano apertou fragilmente suas roupas. O vento mordeu através do pesado casaco de pele de búfalo, pela apertada jaqueta de haori, pelas folgadas e compridas calças de suzukake até por sua insensível pele, e aparentemente por sua espinha.

Neve e gelo mastigados em baixo dele quando Kumano cruzou o planalto a pé com suas pernas magras. Ele parou diante de um altar de madeira cru fixado contra o lado da montanha. O altar consistia de madeira e planks, duas como pernas e uma horizontal para segurar oferendas. Dois objetos estavam sobre o altar, um bastão de ferro com formato de anel da altura de Kumano e uma casca de concha menor que seu punho. Ambos os objetos estremeciam cada vez que o vento surgia.

Curvando sua cabeça para o altar, Kumano começou os exercícios meditativos que encheram a maioria dos seus dias. No princípio ele se concentrou em silêncio, repelindo o vento uivante entorpecente. No silêncio, ele buscou imagens. Kumano poderia ver, através dos olhos fechados, chamas e raio dançando até que eles se tornaram um só. O som uniu imagens. Trovão e o rugido de fogo furioso embutiram-se às orelhas dele. Kumano reduziu sua respiração quando a cena o tomou. Ele deixou ser esbofeteado pelo fogo e pelo raio, montando neles em sua mente como um barco à esmo. Com sua magia, estudou e aperfeiçoou durante uma longa vida, frio e fome poderiam abater Kumano mas não matá-lo. Ele tinha sobrevivido anos sobre o planalto escarpado com nada mais que o altar e suas práticas que lá se focalizavam.

Mas as visitas do dia requeriam mais que sobrevivência. Kumano chamou a raiva do fogo, a decisividade do raio para o encher totalmente. O corpo magro dele inchou com força. Ombros inclinados se endireitaram e alargaram. Sua face magra se tornou foi acinzentada e forte. Mãos apertaram a punhos poderosos. E ainda o poder do fogo e o raio fluiu, consumindo-o.

O tempo passou. Quanto tempo ele não podia dizer. Kumano abriu os olhos ferro-coloridos. Ele estava de pé, transformado do eremita vagante no verdadeiro sacerdote guerreiro yamabushi, e inspecionou seus arredores.

Poucos aventuraram-se a tais alturas nas Montanhas de Sokenzan, bonitas pelo temor que elas inspiravam. Toda a esperança de vida havia sido roubada pelo constante vento frio. A que permaneceu era uma pedra denteada que estava acima dos ângulos violentos e coberta de neve. Sobre ela põe-se o pináculo branco desértico do Cume de Untaidake, erguendo-se como os ossos polidos de algum gigante caído. A única lembrança para Kumano de que cor existiu no mundo estava em cima - a cúpula de céu azul. Mas Kumano raramente observou. Desde que começou seu isolamento auto-imposto, ele tinha achado força na enormidade terrível de Sokenzan. Ele sentia a presença da pedra ao redor dele como familiar, o vento como a voz de um querido amigo. Ele lamentou que estas visitas misteriosas interrompessem a exploração dele desta conexão profunda.

Passos atroadores, um pesado foom foom, ecoaram na passagem montanhosa. Por precaução, Kumano arrancou o bastão arredondado do topo altar e vestiu a concha em uma corda de couro embaixo da sua capa. Os passos continuaram, lentos e irrompíveis. Foom Foom. Kumano ergueu o bastão, balançando-o experimentalmente pelo vento. Foom Foom. Ele poderia ouvir outros barulhos além das pesadas pegadas subindo - um correndo, um sarcástico conjunto de barulhos como de vários dentes rangendo. Foom Foom. Kumano virou para observar o cultivo estéril onde a passagem montanhosa sinuosa encontrava seu pequeno planalto. Foom Foom. Em seguida suas visitas o espionaram.

Os primeiros que chegaram caminhavam em três, três pernas longas peludas de cujos joelhos sobressaíram seis pés pelo menos e das angulares coxas delgadas descendentes encontrava-se uma cabeça horrorosa. As criaturas não tinham nem corpo e nem braços. De alguma maneira, observou Kumano, eles eram como enormes aranhas com a metade das pernas arrancadas fora. Eles moveram-se como aranhas feridas, saltando desajeitadamente com seus pés cheios de garras sobre a neve encrustrada.

Um aranha-coisa escalando sobre a parte rochosa do cultivo era de um pardo cinza, suas pernas peludas presas à cabeça de um homem cadaverosamente-velho. A próxima criatura era branca, suas pernas estavam misturadas à neve e levando à um olho alaranjado sem pálpebras. A última, completamente preta com uma cabeça sem traços característicos na forma de um homem, arranhou um sinal para unir seus companheiros. Cada uma das monstruosidades arrastavam uma pesada corrente de ferro, puxando a visita final, com seus passos estrondosos, para cima da passagem.

Kumano respirou fundo. Sobressaindo vinte pés no ar, um crocodilo com tórax semelhante a um barril usando um quimono preto ergueu-se sobre a borda. Suas balanças vermelhas refletiram como rubis na luz do dia e lançaram um brilho lânguido na neve circunvizinha. Oito braços musculosos estiraram-se do seu corpo em todas as direções. Um das mãos com garras, tão grande quanto o torso de Kumano, segurou os fins das três cadeias. Duas outras mãos brandiram um tetsubo preto mais alto que a própria criatura, sua lâmina larga do tamanho de um barco de pesca pequeno. Os braços restantes dançaram complicadamente pelo ar com as garras estalando. Em um grande arco em cima da cabeça do crocodilo flutuou uma série de bocas sem corpo, todas translúcidas e com lábios laranja apertados firmemente fechadas.
Kami, Kumano refletiu infelizmente.

- Saudações Kumano, yamabushi lendário das montanhas - o crocodilo entonou - Eu estou alegre de o achar vivo apesar de rumores. Eu sou Kakkazan, Grande Kami do Fogo Montês. Eu trouxe o Kami of Ash, Searing Wind e Black Glass em minha busca por você.

Kumano curvou-se cerimoniosamente mas não disse nada à surpresa aparente de Kakkazan. O kami gigantesco limpou o irritado de sua garganta com um estrondo.

- Foi-me dito que você segura o segredo à raiva de O-Kagachi.

O vento rajou ferozmente e por um momento o lado de dentro da montanha parecia gritar. O grande kami parou e Kumano fitou atrás, silencioso e atento entretanto seu coração afundou. Outros haviam feito esta reivindicação. Ele sabia que demandas seguiriam.

- Foi-me dito também que um kami menor e um maior veio a você buscando este segredo que salvará seu mundo de nossa ira.

Uma pausa, e Kumano permaneceu calado carranqueando.

- Finalmente, foi-me dito que nenhum desses kami voltou do topo desta montanha, com seu segredo ou sem.

Kumano suspirou, a névoa roubada pelo vento, endireitando seus ombros largos. Entre ele e Kakkazan, os três kami secundários mexiam-se desajeitadamente no fim de suas cadeias. Kumano desejou poder parar o grande kami de falar suas próximas palavras.

- Kumano, Mestre Yamabushi... - Kakkazan estrondou - Eu exijo este segredo que você segurou de mim. E exijo que você fala isto pra mim agora.

Kumano inalou o vento que uivou pelo planalto. Ainda carranqueando, ele falou de uma garganta que não havia sido usada em meses.

- Grande Kami do Fogo Montês... - ele disse roucamente - Eu lamento em te dizer que lhe deram informação errada. Eu lhe peço que me fale quem lhe deu este má informação.

Kakkazan rosnou.

- Os meios pouco importam, humano. Me conte o segredo. Agora!!!

Kumano limpou sua garganta seca.

- Eu lhe falarei alegremente tudo que eu sei, mas tenho medo que seja de pouco uso. Anos atrás, eu viajei para este lugar remoto para meditar nas dificuldades de nosso mundo. É verdade que eu tive visitantes durante estes anos, e, sim, estas visitas eram do mundo do espírito, todos exigindo respostas como você exigiu de mim. Todos eles recusaram acreditar em minha ignorância, e assim estes encontros lamentavelemte terminaram em morte.

Kakkazan rosnou com isso, mas Kumano continuou.

- Contudo eu tentarei novamente, e eu direi o que eu disse a esses antes de você.

As próximas palavras de Kumano foram faladas lentamente e com o cuidado de serem ouvidas sobre o vento.

- Eu não escalei esta montanha com segredos, nem eu os achei desde que cheguei. Nós podemos falar do frio e rochas, pois isto é tudo que eu soube nestes últimos anos. Eu até mesmo suspeito que você pode enviar algumas perguntas que eu tenho sobre a pedra, com quem eu sinto algum parentesco agora. Mas eu não tenho nenhum segredo para compartilhar, Kakkazan, somente reclamações de ossos velhos e reflexões cansadas. Eu não posso ajudá-lo.

- Você busca defender ele que trouxe a ira de O-Kagachi?” - Os kami berraram incredulosamente. Os três outros kami chiaram e pularam sobre a região do cultivo, saltando em fúria aparente.

Kumano elevou sua mão suplicantemente. “Eu não busco defender ninguém. Eu não celebro nenhum amor por Konda e veria o crime dele severamente castigado alegremente. Ele é um louco faminto por glória. Eu lhe falo somente que eu não sou a chave à abolição dele apesar do que você ouviu. Se você não me falar quem que o guiou na direção errada, eu peço que você me deixe e compartilhe as notícias que eu não conheço nada de valor.

Agora era Kakkazan que permaneceu calado, contudo era um terrível, terrível silêncio. Kumano abafou outro suspiro. Ele tinha dito o mesmo a outro kami, e ele suspeitou e já sabia o resultado. Kumano decidiu tentar seu argumento novamente.

- Se você me falasse ele começou, mas o rugido de Kakkazan roubou qualquer outro pensamento.

- Você trouxe a morte a você mesmo neste dia! Eu me deliciarei chamuscando sua carne!

Com um estalido de um pulso volumoso, Kakkazan libertou as três correntes de seu aperto. Os três kami surgiram adiante quando as correntes desapareceram em fumaça. O Kami of Ash, com suas pernas cinzas balançava a neve quando se movia, plantou um pé com garras de um lado de Kumano e abaixou sua cabeça. A face de um homem ancião, suas sobrancelhas felpudas dobraram-se em raiva, abrindo uma boca desdentada em fúria muda. A boca cresceu ficando impossivelmente grande como a cabeça abaixada do kami, e em um movimento tragou Kumano por inteiro.

Escuridão absoluta o cercou. Ainda em uma batida do coração o corpo inteiro de Kumano crepitou com um fogo amarelo luminoso. As chamas dançaram pelos seus braços ao bastão anelar, que ele havia balançado em cima. Algo gritou e a escuridão se desmoronou como uma cabana de papel sendo rasgada ao seu redor. Pedaços de cinza voaram em todas as direções, cobrindo de lixo o cultivo rochoso.

Kumano continuou o balanço do seu bastão, agora ígneo, para golpear o atacante Kami of Black Glass. Um som como o martelo de um ferreiro ecoou abaixo do vale, e a cabeça sem traços cambaleou para trás sob as pretas pernas de aranha.

Um barulho agudo à direita de Kumano sinalizou o ataque do Kami of Searing Wind. O olho laranja ardeu com uma luz cegante que fluiu em um cone de brilho. A luz passou sobre ele, queimando suas roupas.

Kumano ergue uma palma à luz e disse algumas palavras mágicas. Imediatamente, uma viga golpeou sua mão que foi despedaçada em mil partes menores. O planalto ostentou-se com luz e a criatura continuou sua agressão sobre o escudo de Kumano.

Outra palavra de Kumano, e ele ergue seu bastão acima. Embora a arma golpeasse só ar, a fria rocha sobre o kami estremeceu. Um momento depois a criatura desapareceu debaixo de um chuveiro de neve e rochas vindo de cima. A súbita avalanche cobriu quase um terço do planalto e deixou uma única perna branca e peluda exposta.

Uma garra preta o golpeou duramente na bochecha. Kumano rolou com o soco enquanto manchas dançaram na frente dos seus olhos. O Kami of Black Glass golpeou novamente e desta vez Kumano aparou com um joelho. Outra golpe de martelo ecoou sobre o vale.Kumano bloqueou soco após soco do kami, movendo para trás até a suas costas aplainarem-se contra o lado de dentro da montanha. Outro empurrão e Kumano abaixou-se, a perna preta fincou-se na pedra estéril. Enquanto o Kami of Black Glass lutava para se livrar, o cajado ardente de Kumano partiu a cabeça sem feições da criatura em duas partes.

A medida que cada metade do kami caia, novas pernas serpenteavam igual a brotos de bambu. Kumano franziu o rosto agora que ele teria que enfrentar dois Kami of Black Glass, menores que o original contudo idênticos.

Kumano balançou seu cajado ígneo em uma torrente de sopros. Ele trovejou um grito de batalha como sua arma deixando pernas pretas e cabeças aos pedaços. Cada vez, novas pernas cresciam, novos kami subiam, e ele golpeava novamente e novamente. Dez kami se tornaram vinte, e vinte se tornaram quarenta, cada vez menores e menores à medida que Kumano balançava seu cajado como uma foice. Quando só fragmentos permaneceram, cobrindo de lixo o planalto e começando a subir, Kumano derrubou um joelho. Com um grito ele libertou um anel de fogo do lado de fora. O kami preto chiou e queimou quando ele foi varrido fora do planalto no vento uivante.

Kakkazan permitiu agora que Kumano saboreasse seu triunfo. Com um rugido poderoso, o Grande Kami golpeou o enorme tetsubo nas costelas de Kumano. O sacerdote guerreiro grunhiu quando voou lateralmente como uma boneca flácida para dentro da montanha. Ossos moeram contra a pedra inflexível.

Então ele estava caindo em pleno ar, o ataque o havia jogado fora do planalto. Kumano olhou acima, não vendo nada mais que o céu azul. O vento frio gritou nas suas orelhas.

Uma sombra rapidamente impediu a visão de Kumano quando Kakkazan lançou seus vinte-pés em sua perseguição. Kumano sentia somente o vento que chicoteava sua roupa carbonizada e via somente o Grande Kami de Fogo Montês, sua forma horrível ardendo e crescendo com cada momento que se passava.

Kumano caiu na terra com um grunhido e uma explosão de neve. Menos que uma batida do coração depois, Kakkazan chocou sobre ele. O Grande Kami golpeava com garras e golpes extensos de sua polearm, partindo neve, gelo, e pedra junto. Kumano disse uma palavra com a pedra atrás dele, e a montanha o envolveu.

Por um momento havia negridão, e após uma palavra sussurrada de agradecimento de Kumano a pedra o cuspiu sobre uma borda. Kumano estava cinqüenta pés agora do imenso kami, abaixado.

Kakkazan tinha parado seu ataque para olhar, admirado, para sangue e roupa esfarrapada que deveria ter se misturado com os restos da pedra. Kumano ergueu seu cajado. Em vez de fogo amarelo, crepitou-se um azul ardente.

- Onde está você, guerreiro sacerdote?- O kami começou, então gemeu quando um raio o golpeou de cima. Outro raio brilhante o acertou, e outro, cada um pontilhando as balanças-rubi de Kakkazan com um entalhe enegrecido. O kami girou, procurando com seu olhos reptílicos, até que achou Kumano.

O cajado de yamabushi encheu-se de eletricidade primeiro no céu, e então abaixo no kami em brilhantes linhas de relâmpago. Novamente o raio o golpeou. E novamente. Kakkazan ergueu vários braços como uma proteção fútil.

Contudo o ataque estava cansando Kumano além da fadiga. Ele poderia sentir o fogo furioso tremendo nele. Raio caiam em intervalos mais esporádicos. Para uma respiração inteira, parou completamente.

- Nenhum mais! - Kakkazan trovejou - NENHUM MAIS!!!

O rabo largo do kami trilhou, enquanto enviando um borrifo de neve ao ar. Imediatamente, o arco de bocas circundou Kakkazan apertando seus lábios e então abriram em um grito rugindo. Elas gritaram fogo.

Rapidamente Kumano fez um escudo de pedra antes dele ser derretido em um piscar de olhos. Uma torrente de chama o engolfou. No princípio, sua resistência mágica aos elementos segurou. Ele não poderia ver nada mais além do inferno dançando, sentir o calor distante. Ele percebeu a casca da concha no seu peito ardendo e segurando o fogo à distância.

Contudo as proteções de Kumano enfraqueceram-se depressa. O calor subiu. O fogo começou a queimar sua pele. A chama continuou, e então Kumano não pode ver e nem pode ouvir mais nada além da sua própria dor. Carne empolou. Kumano Ryusaki ofegou uma oração final à pedra que o tinha abrigado e ao vento que o tinha ajudado nestes últimos anos. Ele caiu ajoelhado.
Então, como uma vela crepitando, cessou-se o fogo. As orelhas de Kumano assobiaram com o silêncio. Ele piscou através de olhos sanguinolentos.

Carbonizado, estiraram-se vinte pés ao redor dele. Onde havia neve uma vez, erguiam-se gavinhas de fumaça que eram roubadas pelo vento. Kakkazan carranqueou com ódio desmascarado, seu tamanho oscilava constantemente. As bocas que ainda flutuam ao redor dele abriram, ofegando névoa. O corpo de crocodilo, uma vez tão sólido e imponente, agora parecia como uma miragem. Kakkazan flutuou transparentemente, a pedra e neve atrás dele se tornaram claramente visíveis.

Kumano sorriu com lábios rachados.

- Você gastou seu poder neste mundo. ele raspou, Nós teremos que continuar nossa conversação mais tarde, eu temo. Ele tossiu sangue.

- Realmente. - Kakkazan rosnou - Não acredite que isto seja um fim, Kumano. Seu segredo... começou, e então se foi.

- Diga-lhes... - Kumano resmungou para abrir a boca. - Diga-lhes que eu não sei de nada.
Ele se desmoronou sobre a pedra fumegante, estremecendo e vomitando. Unhas pretas acariciaram a pedra ferida.

Dois dias depois, quando Kumano pode se levantar, ele juntou seu cajado chamuscado e a casca de concha cicatrizada. Quase nu e novamente um ermitão se inclinando, seria uma subida lenta, dolorosa até as Montanhas de Sokenzan.

Kumano olhou acima na sua casa onde passou estes últimos anos e então inspecionou os cumes de Sokenzan. Kakkazan estava correto ele sussurrou dolorosamente. Nossa batalha era um começo. É um longo tempo para descobrir quem tem contado à kami que eu seguro um segredo e por que. Eu retornarei, nobres montanhas, com respostas e uma cabeça pendurada no meu cinto. Um passo arrastado pela pedra preta e ele estremeceu em agonia.

A única resposta da pedra estéril foi uma selvagem rajada de vento, trazendo frio à sua espinha.

2 comentários:

  1. Esse é pra ler após o jogo do Brasil amanha UHUUUUUUUUUUUUUUUUUUU Xp magic sabado heim!!!!

    ResponderExcluir